Pular para o conteúdo

Palavra do Presidente


Com a Palavra, o Presidente.

Caríssimos associados da IPA no Brasil.
 
            Estamos com este dezembro de 2019 concluindo o terceiro ano de nossa reengenharia total na IPA do Brasil, embora o ano Phoenix - IPA Brasil venha somente encerrar-se em abril de 2020, momento em que a IPA Brasil comemorará o seu 58º ano de ingresso na International Police Association – IPA, e, neste ato, peço que me permitam que a nossa palavra seja um pouco mais extensiva que as anteriores. 
 
            A reengenharia na Entidade foi necessária e premente, pois em uma analogia, em ponto de vista meu, é algo assemelhado com o que aconteceu e o Brasil administrativamente passou e passa atualmente, ou seja, saiu de um período de gestão em que tudo se podia nos interesses pessoais de alguns, o que acarretou um direcionamento ao fundo do poço, e atualmente adentrou em um período de resgate de uma ética séria e bom senso administrativo.
 
            Agora, transformações profundas sempre veem acompanhadas por muito trabalho e sacrifícios, e estas devem ocorrer sem estardalhaços, pois quando à lume, aqueles que percebem que serão atingidos diante das “regalias” que comportam, tudo fazem para se contraporem. E assim, agimos. Fomos mudando discretamente, e no cenário que se encontramos podemos nos satisfazer em dizer que os objetivos foram alcançados.
 
            Hoje a IPA no Brasil, que outrora estava por um fio no sentido de expulsão do contexto internacional pelo órgão mãe (IPA), vem mostrar que de fato é um ente capaz de reerguer-se do caos acometido e demonstrar que se faz necessária para o contexto global da IPA no mundo.
 
            Labutamos por três anos consecutivos para em primeiro plano deixá-la juridicamente correta, o que foi uma lide nada fácil em razão da intransigência daqueles que não queriam “soltar o osso”, pois se utilizavam contumazmente do judiciário para que o nosso projeto não tivesse êxito. Porém, embora com sobressaltos oriundos de loucuras jurídicas impetradas, e elevados gastos financeiros para contrapor, ao final, vencemos. Aliás, o certo e justo sempre vencerá, e não há nada encoberto que não virá revelar-se (Mateus, 21).
 
            Hoje, a IPA no Brasil encontra-se judicialmente amparada, tanto em sua estrutura orgânica, administrativa, fiscal e representativa, como em nível nacional e internacional. Enfim, possuímos uma entidade “limpinha e bela” para que possamos atuar, e estamos atuando, em ações de gestão diante de inúmeros segmentos nacionais e internacionais. Finalmente a IPA Nacional ( Brasil) tem a sua sede definitiva, localizada na capital do País, Brasília/DF, e estrutura administrativa para atender seus associados a contento e desenvolver diversos projetos de gestão, que cotidianamente demonstram o que é a IPA, o que faz, e para que serve. E mais, em uma seara de modus operandi que a diferencia de qualquer outra entidade correlata, fazendo com isso, que sejamos reconhecidos e procurados por importantes segmentos do meio social nacional, para que mediante  parcerias se atue em conjunto, a exemplo do último contrato de parceria firmado com a maçonaria do Brasil. 
 
            Nesta palavra, vir citar o que já efetivamos de ações de gestão no período, seria menosprezar os nossos sistemas de comunicação e informação aos associados, a exemplo dos comunicados gerais, o Magazine IPA Brasil, e o nosso Portal (www.ipa-brasil.org). Ademais, sem falta modéstia, viria ocupar substanciais páginas ao presente texto. Disto, proponho aqueles que não acessam os nossos sistemas de gestão, atiçar a curiosidade e efetivar uma breve navegada em nosso portal, não deixando de fazer uma rápida leitura no nosso magazine que lá está postado.
 
            De outra banda, trago à lume que membros da Diretoria Executiva, Conselho Fiscal e Conselho de Ética da Entidade Nacional, se reuniram neste passado dia 11/12/19, para efetivar uma reavaliação da IPA no Brasil, tanto para o plano de gestão de 2020, como para o aperfeiçoamento da máquina administrativa, em áreas que vem apresentando falhas diante do que exigimos, e, principalmente, em razão da crise nacional, na questão orçamentária da entidade nacional, a qual vem nestes últimos momentos operando no limiar do fôlego de caixa, em razão que as ações desenvolvidas possuem uma envergadura em que não se pode retrair, a exemplo, de trazer ao Brasil uma equipe de profissionais do DTG/IPA (Defense Tatic Group) com técnicas totalmente desenvolvidas pela IPA, com reconhecimento internacional, para curso e demonstração para a polícia brasileira (ação já divulgada no Portal da IPA Brasil e comunicado geral), e, dentre outras de não menos importância como foi o apoio nas comemorações dos 130 da proclamação da república e Dia da Bandeira.
 
            No mesmo diapasão, o atendimento imediato de modificações de procedimentos na gestão internacional, deliberado pelo novo grupo administrativo empossado em outubro passado no Congresso da IPA na Croácia (IPAWC 2019), a exemplo da nova data fiscal da IPA que passou para janeiro de cada ano, se enquadra no contexto de nossa administração intestina, pois de certa forma nos “obriga” antecipar de março para janeiro o ano fiscal da IPA Brasil.  
 
            Das deliberações da reunião da Executiva Nacional, antecipo ao conhecimento três pontos definidos e de importância supra para a nossa Entidade nacional, quais sejam:
 
            1) Efetivar esforços na gestão de 2020, direcionados a cimentação da regional da IPA Brasil no Estado do Rio de Janeiro e do Goiás, e, a instituição de Regionais da IPA Brasil no maior número possível de estados do País, a exemplo, do que vem já ocorrendo nos estados do Tocantins, Amazonas, Pernambuco, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e São Paulo.
            2) Efetivar uma campanha de filiação para busca de novos associados, uma vez que agora já poderemos atender todas as contrapartidas inerentes ao associado - IPA. Nesta campanha solicitaremos também, que o nosso associado traga um ou mais colegas de seu universo social  para a família IPA. 

            3) Efetivar ações para promover o primeiro congresso nacional da IPA no Brasil, com a presença do maior número possível de associados. 

          Ensejaria neste momento a palavra do Presidente, porém, em razão de inúmeras indagações de colegas associados da circunscrição de São Paulo referente a existência de uma International Police association – IPA naquele estado, informo o que segue:
 
1962 - A Seção Brasil da IPA foi fundada em 1º de abril de 1962 pelo Tenente da Policia Portuária JOHN STRONGOV, da Divisão de Polícia Marítima da Policia Federal Brasileira, na cidade de Santos/SP. Foi o incentivador da criação da Seção Brasil da IPA, o Sr. Meridith Austin, membro da Seção Britânica e Secretário Associado para as Américas Central e do Sul.
 
            A Seção Brasil foi reconhecida (referendada) na 5ª Conferência do Conselho Executivo Internacional (IEC) da IPA, realizada em Genebra/ Suíça, no período de 15 a 18 de maio de 1962. Sua certificação ocorreu em 05 de junho de 1962, tem do no documento oficial de certificação a assinatura de Arthur Troop, o fundador da IPA Internacional.
 
1972 - O Estatuto Nacional foi registrado juridicamente no Brasil na segunda presidência da Entidade, pelo Delegado de Policia do Estado do Rio de Janeiro, Dr. Hamilton Pereira Giordano. 
 
1977 -  Nathaniel Gonçalves de Oliveira, policial do Estado de São Paulo, fundou a Regional da IPA Brasil no Estado de São Paulo.
 
1992 - realizou-se no Centro de Convenções do Hotel Rio Palace, em Copacabanana, cidade do Rio de Janeiro/Brasil, a 24th Internacional Executive Council Conference – IEC Conference (Conferência do Conselho Executivo Internacional da IPA), com a especial presença do fundador da IPA, Mr. ARTHUR TROOP. 
 
1999 - O Permanent Executive Bureau – PEB (hoje, IEB), em razão da Seção Brasil se encontrar acéfala, enviou de Londres para o Brasil, o Assistente do Secretário Geral Internacional e membro da Comissão para Assuntos Internacionais, Sr. John Waunsley, para dar provimento a determinação expressa do PEB em promover uma espécie de “intervenção” na Entidade, a qual resultou na determinação que a sede da Seção Brasil da IPA fosse transferida do Rio de Janeiro, onde permaneceu por mais de 20 anos,  para a cidade de São Paulo e empossou discricionariamente uma nova diretoria executiva da Seção Brasileira. Disto, a IPA Brasil passou a ser presidida pelo Dr. José Raymundo Nogueira dos Santos, então chefe do Departamento de Turismo da Polícia de São Paulo e sua sede foi instalada na Avenida Cásper Líbero, 390, 5º andar, bairro da Luz, na capital de São Paulo onde já se encontrava instalada no mesmo local a sede Regional da IPA Brasil no Estado de São Paulo. 
 
2010 – Por motivo de doença, vem a falecer o presidente da IPA Brasil Dr. José Raymundo Nogueira dos Santos, assumindo a presidência da IPA Brasil o Vice-Presidente, Dr. George Milard. 
 
            Jose Raymundo Nogueira acumulava o cargo de presidente da IPA Brasil e presidente da Regional da IPA em São Paulo. Com sua morte assume o cargo de presidente da Regional da IPA no Estado de São Paulo o seu Vice-Presidente Regional, Jarim Lopes Roseira.
 
            Em razão da Sede da IPA Brasil e da Regional de São Paulo situarem-se no mesmo local e endereço, houve “atritos” entre os então Presidente da IPA Brasil e da Regional da IPA em São Paulo, em que resultou em solicitação de desligamento da IPA por parte de George Millard, então presidente da IPA no Brasil.
 
            Em razão deste fato, a IPA Brasil fica acéfala de uma administração até a consecução da Assembleia Geral de 2010, em que definiu que o vice-presidente da regional de São Paulo ficasse interino na presidência da IPA Brasil até a consecução de uma nova eleição nacional.
 
2011 – Em 24 de agosto ocorre um congresso nacional extraordinário da IPA Brasil para aprovar o novo Estatuto nacional e deliberar a eleição da IPA Brasil, a qual foi definida para ocorrer em dezembro de 2011. 
 
            Em razão que se encontrava como presidente interino da IPA Brasil o Sr. Jarim Lopes Roseira, e consequentemente sendo o responsável para efetivar o processo eleitoral, este, almejando o cargo nacional, promove uma tumultuada e estatutariamente equivocada eleição para a Diretoria Executiva da Entidade, o que resultou em impetração de ação judicial por parte da outra chapa concorrente.
 
            Disto, o cargo de presidente nacional ficou “sub judice” durante todo o período de gestão (dezembro/2011-dezembro/2015), em razão de ações impetradas no judiciário brasileiro diante do processo eleitoral promovido por Jarim Lopes Roseira. 
 
2015 – Em razão da balbúrdia que se encontrava na administração da IPA Brasil, com desmandos e condutas equivocadas ao cargo pelo então presidente “sub Judice”, os membros solicitaram para que adentrasse ao novo processo eleitoral da IPA Brasil que ocorreria naquele ano, o então Presidente da Regional da IPA Brasil do Distrito Federal, Dr. Joel Zarpellon Mazo.
 
           Em 15 dezembro de 2015, efetivou-se uma nova eleição para Presidente da IPA Brasil, tendo como vencedor oficial no pleito para o cargo de presidente, manifestado em ATA Eleitoral pela Comissão Eleitoral, o membro da IPA Brasil, Dr. Joel Zarpellon Mazo.
 
            Em razão do inconformismo do vencido nas eleições, Jarim Lopes Roseira, sobreveio uma lide judicial que perdurou por treze meses, deixando novamente a Entidade Nacional em uma acefalia que quase resultou no seu desligamento da International Police Association – IPA, quando do Congresso Mundial da IPA na Nova Zelândia, no qual a Entidade Nacional não se fez presente por não haver uma representação oficial juridicamente legitimada.
 
2017 - Sobreveio a Sentença Judicial de 16 de janeiro de 2017, convalidando o resultado oficial das eleições de 2015, e determinando todos os registros oficiais necessários para gestão do grupo eleito em 15 de dezembro de 2015. 
 
            Porém, a nova gestão só veio assumir a Entidade quando da Assembleia Geral Extraordinária ocorrida em 29 de maio de 2017, em que, no momento foi definida a transferência da Sede da IPA Brasil, por força estatutária, para a capital do País, Brasília/DF e determinado uma reengenharia total na estrutura administrativa, jurídica e de gestão da Entidade Nacional, fazendo surgir assim, uma nova IPA Brasil.
 
            Em 19 de setembro de 2017, na localidade de Albena, quando do Congresso Mundial da IPA na Bulgária, em reunião da Executiva Internacional (IEB-IPA) com a atual gestão da IPA Brasil, o IEB exigiu mediante a Moção IEB 10, aprovada em plenária (votação) pelo IEC-IPA, que a nova gestão da IPA Brasil deveria efetivar uma nova Assembleia Geral para que convalidasse a representação internacional da gestão eleita, com a presença de um observador oficial da IPA.
 
            A determinação foi atendida em 24 de novembro de 2017, com uma  histórica Assembleia Geral Extraordinária, ocorrida no auditório do Museu Nacional da República, na cidade de Brasília, capital do País, com a presença de membros filiados oriundos de todos os Estados do País inseridos na IPA do Brasil, Presidentes Regionais da Entidade em sua totalidade (incluso São Paulo, na pessoa de Jarim Lopes Roseira), juntamente com autoidades convidadas do Poder Judiciário e Órgão fiscalizador Nacional (Advocacia Geral da União), da Ordem dos Advogados do Brasil, e do Observador Oficial do Bureau Executivo Internacional da IPA, momento em que foi nacionalmente convalidada, por maioria absoluta (98% dos votos), a representatividade internacional do grupo gestor eleito em 2015. No evento foram empossados os membros do Conselho de Ética e aprovado o Plano de Gestão de 2018, da IPA Brasil. Deliberou-se que o período de sua reengenharia total para a consecução da Nova IPA no Brasil, seria este denominado: “Ano Phoenix IPA Brasil”, convalidando o selo ilustrativo do período.
 
2018 - Em 16 de janeiro de 2018, o IEB comunica todas as Seções nacionais da IPA no mundo, que o atual grupo gestor da IPA no Brasil estava convalidado em sua representatividade internacional e publica no Info Guide da IPA Internacional a nova Diretoria Executiva e Conselho Fiscal da sua Seção Brasil.
 
            Em razão da decisão da Assembleia Geral da IPA no Brasil, foi efetivada uma reengenharia na administração da Entidade, e um dos pontos principais atacados, foi diante do Cadastro Nacional de Associados da IPA no Brasil, pois o grupo de trabalho da atualização cadastral detectou que no cadastro anterior havia inúmeros “associados” fantasmas, mortos e não policiais, e pior, que votaram na eleição de 2015. Em razão disto foi deliberado em proceder um recadastramento nacional com um prazo em que todos os associados deveriam se recastrar para permanecer nos quadros da IPA, caso contrário, seriam retirados do cadastro nacional. Vencido o prazo a determinação de retirada dos não cadastrados foi efetivada em conformidade com Portaria da IPA Brasil editada para o caso.
 
            1) Ocorre que, o Sr. Jarim Lopes Roseira não se recadastrou e neste liame levou alguns associados de São Paulo, os quais todos foram retirados do cadastro de associados da IPA.
 
            2) Em Assembleias da IPA Brasil ocorridas, foram oficialmente registradas, inúmeras “denúncias” sobre condutas não condizentes como associado da IPA contra a pessoa do associado Jarim Lopes Roseira, o que resultou por decisão unânime do Conselho de Ética da Entidade Nacional, aprovada em Assembleia Geral, pela exclusão do referido membro dos quadros da IPA no Brasil. Então, Jarim Lopes Roseira foi excluído do Cadastro Nacional de Associados da IPA Brasil por não haver se recadastrado e também por decisão do Conselho de Ética da Entidade convalidado em Assembleia Nacional.
 
            3) Na reengenharia da IPA Brasil se detectou que as Regionais da IPA no Brasil não estavam regularizadas juridicamente, razão em que todas foram desconsideradas, em exceção da Regional do Distrito Federal e de São Paulo, pois essas estavam juridicamente regularizadas.
 
            4) Porém, a Regional de São Paulo foi extinta posteriormente por não haver atendido exigências  fiscais e jurídico-cartorárias da legislação brasileira, pelo Poder Judiciário de São Paulo.
 
            5) Em razão desta extinção da Regional de São Paulo por força legal de regramentos jurídicos do Brasil, o Sr. Jarim Lopes Roseira, ciente que a atual gestão da IPA Brasil faria a instituição de nova Regional no Estado de São Paulo diante do vigente Estatuto Nacional, e que em razão de sua condição de não membro não conseguiria se candidatar a presidência desta, fez uma reunião com o seu grupo em São Paulo e “criaram” uma nova associação: INTERNATIONAL POLICE ASSOCIATION – IPA, registrada em Cartório e com CNPJ, documento que legitima no Brasil a existência jurídica de uma associação. Nesta “IPA São Paulo” passou a utilizar em sua identificação associativa o emblema oficial da IPA, e se manifesta como se fosse a representação da IPA Internacional no Estado de São Paulo.
 
            6) A Seção Brasil da International Police Association – IPA Brasil interpelou esta “associação” de Jarim Lopes Roseira no sentido da utilização do termo: Regional de São Paulo, em seu site oficial ( ipa-brasil.org.br), e notificou todas as entidades classistas do Brasil no sentido que esta regional é um “fake”, e não possui nenhuma representatividade da Seção Brasil da IPA e nem pela International Police Association - IPA.
 
            7) Na questão relativa ao uso do emblema oficial da IPA internacional, utilizado por esta “associação” de Jarim Lopes Roseira, a Diretoria de Assuntos Jurídicos/IPA Brasil foi clara em Parecer oficial emitido, em razão de questionamento da Executiva Nacional, de que a Seção Brasil não tem legitimidade legal para interpelar o uso do emblema internacional, pois este é registrado em jurídica internacional e não corresponde a identificação oficial da IPA Brasil.
 
            8) Esta situação já foi notificada oficialmente ao IAC-IPA, e temos ciência que o IEB-IPA em sua última reunião deliberou por procedimentos judiciais no que tange ao uso do emblema oficial da IPA Internacional e sua razão jurídica.
 
            Infelizmente, alguns colegas policiais da circunscrição de São Paulo continuam sendo iludidos por este “Fake IPA” e nele disponibilizam recursos financeiros, os quais são consignados em conta corrente de associação que não é a desta “fake”. Porém, este não é fato ou caso, não atinge ao provimento de uma ação da IPA no Brasil na questão. Comporta, a nós, somente responder questionamentos e interpelar quando temos conhecimento que esta “fake” vem em atos oficiais querer “mascarar” que é a representação da IPA no Brasil. Já “atacamos” essas tentativas em inúmeros momentos  em São Paulo. Não deixaremos nada vir macular o que é hoje a verdadeira IPA do Brasil.
 
            Após, a triste manifestação (acima), ensejarei as minhas palavras, dizendo  que termino os trabalhos de gestão da IPA no Brasil neste ano, com uma descoberta maravilhosa, qual, concluí que o grupo da nossa entidade possui uma Egrégora fantástica, e em findo, desejo que a nossa força espiritual nos proporcione um belíssimo natal e final de ano.
 
Até 2020. Vida longa para a IPA Brasil.
       

“Servo Per Amikeco (Serviço Através da Amizade)”.

Joel Zarpellon Mazo
Presidente da IPA Brasil 

 


                                                                                                          
                                                                                                                               Joel Zarpellon Mazo
                                                                                                                           Presidente da IPA Brasil